Antigos tormentos

Espaços escaços dentro do meu eu
Ser quem não pude e manipular o agir
Perder a razão do medo de sentir
Querer esconder o que não sei fingir.
Entre as frestas da porta eu fecho
O que se permite de modo fatal
Simplesmente escondem-se os eixos
De tantos atos inatamente rotineiros.
Busquei o amor e nele me perdi
Contas de um rosário me refiz
Ó lua que brilha e ascende
Diga que estes espaços se perdem
E o começo do fim é o não
E o sim que não vem do coração
Se perder nas encostas, e esconder as amostras
Dizer que se vai e permanecer
Manipular o que não se pode
E na prima-Vera florescer a
Luz do arco íris pertencer
À insanidade dos meus movimentos
que vão seguindo os meus antigos tormentos.

Anúncios

Escrito por

Estudante de Jornalismo e brasiliense. Apaixonada por cinema, literatura, música, culinária e beleza. Com família paraense, das raízes indígenas, se criou em Brasília onde pode descobrir mais sobre o mundo e se apaixonou pela profissão que escolheu. Criou o Diário em 2014, quando decidiu manter vivas as poesias que mantinha em cadernos por anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s