Esperar

Que se passem as horas, os ventos e a brisa
Que conforte o medo, as mágoas, a falta
Que se pare no tempo o momento final
Que venham remando, pescando, nadando
Perdendo o meu chão
Se me perco e desmonto ao entregar
O que se prende e se defaz
Com os passos dos ventos que contam momentos
Em dados espaços escalam tormentos
Quem contam os tempos em chãos disfarçados
As horas não passam e são tantas as faltas
Espero a hora, mas a hora não chega
Em quanto tempo vivo este instante? 
Me perco, não entendo, me estendo
Conto, contanto quem serei eu? 
Remem, barcos, até a margem
Há recompensa do outro lado
Esperar nunca rendeu tanto:
Tanto medo
Tanta falta de fé
Tanto excesso de eu, mim, você.

Anúncios

Escrito por

♦ Brasiliense com sangue do Pará, amante de moda, culinária, cinema e música. Sonhava em ser bióloga marinha, mas vem se provando mais jornalista do que achava. Escreve menos do que sua mente produz, mas a memória deixa a desejar. Curiosa e repórter, então saiba que tudo o que disser poderá se tornar texto novo. E se a encontrar, prove seu abraço... dizem ser o melhor do mundo. ♦

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s