Pequeno…

É, pequeno… to querendo te eternizar como poesia.
Colocar teus olhos de maresia dentro dos meus olhos castanhos de Renato.
To querendo manter nosso cheiro como a frequência louca de Pitty.
Transformar nosso lance em segundo sol, seria lindo realinhar os planetas.
É, pequeno… to querendo ser cega por ti como canta nosso Lenine.
Usar tua camisa de pijama, igual canta Scracho…
Não quero evitar teus olhos… fique a vontade então.
Quero ser aquele teu sorriso na fila do pão, tua metonímia.
E se Vinícius perguntar sobre nós, diga que nosso eterno será chama acesa enquanto for preciso.
Porque o amanhã não sabemos.
Mas sabemos o que queremos.

Anúncios

Escrito por

♦ Brasiliense com sangue do Pará, amante de moda, culinária, cinema e música. Sonhava em ser bióloga marinha, mas vem se provando mais jornalista do que achava. Escreve menos do que sua mente produz, mas a memória deixa a desejar. Curiosa e repórter, então saiba que tudo o que disser poderá se tornar texto novo. E se a encontrar, prove seu abraço... dizem ser o melhor do mundo. ♦

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s