Remendos e retalhos

Sou a pedra no caminho de Drummond
Sou a paciência de Lenine
Sou a pequena morena de Chinez.
Sou tantas versões de mim…
Sou o combustível de Ana
Sou o i love you de Marisa
Sou a malandragem de Cássia.
Sou tantas versões de ti, Brasil.
Sou a morena tropicana,
O morango do nordeste,
A mama África!
Sou sozinho,
A garota de Ipanema.
Sou um jardim…
Sou o vaso sem cor,
A gota de lágrima da dor.
Sou o amor que dedico a ti, pequeno.
Sou teu pão e tua comida,
Sou o cálice que se afasta
A marca da desgraça
Uma vida sem rumo.
Sou um tanto exagerado
Sou o túnel dos desesperados.
Sou qual parte da estrada
Que caminha sem você.
Sou a dor da sede,
do sertão.
Sou a dor da fome
e solidão.
Sou erva venenosa
Sou quem te ensinou
quase tudo o que sabes.
Sou trechos e pedaços.
Remendos e retalhos.
Sou eterno enquanto durar
Sou os confetes do carnaval passado.
Sou quem veio na hora exata
com ares de festa e lua de prata.
Sou a dona, do teu coração.
Sou um bocado Brasil.
Um bocado eu.
Nessa miscigenação.

Anúncios

Escrito por

Estudante de Jornalismo e brasiliense. Apaixonada por cinema, literatura, música, culinária e beleza. Com família paraense, das raízes indígenas, se criou em Brasília onde pode descobrir mais sobre o mundo e se apaixonou pela profissão que escolheu. Criou o Diário em 2014, quando decidiu manter vivas as poesias que mantinha em cadernos por anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s