Anacrônico

Silencie o teu grito Deixe o nada ecoar Há necessidade Persuada teus opostos Recrie teus passos Remonte teus arcos Despiste a agonia Diga adeus às calunias Ignore os nãos Mas prossiga circunscrito Permita-se revigorar Sinta a acuidade Dos sons compostos E seus amores escassos Regresse a sinfonia A teus pés, ó ironias Agarre as minhas… Leia mais Anacrônico

A valsa, o vento e os olhos de noite estrelada

O vento me tirou para dançar e o vestido feito de amor voava sem parar. Dançávamos uma valsa, dançávamos Plangente… como se a própria Chiquinha Gonzaga tocasse para nós dois. Os passos eram intercalados entre longos e curtos, o vestido rodava e sua mão ainda na minha cintura me deixava seguramente próxima a seu corpo.… Leia mais A valsa, o vento e os olhos de noite estrelada