A morte é na estrada

A doçura dos teus lábios no encontro armado
Daquele que provou lhe dar amor
Fugiu dos laços do antigo amado
Para ter lhe sentido dor.
Correu para outra boca
Matar a sede de ter calor.
Nada mais importa
Que a minha vontade de ter amor.
Mas o amor não me quer
E a ele sou transparente
Compenso sorte, que morte!
E se a mim chega a mente
Ser teu, em ti ser eu
Me perder sem querer
E não encontrar nada
Que estrada é essa?
Desejo teu lábios quentes
O teu a mim regressa
Sem sucesso me vendo, me dou
E por medo sou nada
Sou pó, pobre nadador.
Uma vírgula, uma curva,
O medo, a velocidade toda suja
A morte é na estrada
Quando entrego a mim
A minha eterna amada.

image

Anúncios

Escrito por

♦ Brasiliense com sangue do Pará, amante de moda, culinária, cinema e música. Sonhava em ser bióloga marinha, mas vem se provando mais jornalista do que achava. Escreve menos do que sua mente produz, mas a memória deixa a desejar. Curiosa e repórter, então saiba que tudo o que disser poderá se tornar texto novo. E se a encontrar, prove seu abraço... dizem ser o melhor do mundo. ♦

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s