París, 13 novembro 2015

socorra-me!
Valentin, Nick,
Aurèlie, Nohemi,
Guillame, Thomas,
Djamila, Alberto,
Asta, Mathieu.
a sós, no escuro
a noite os acolheu
sirenes, gritos, choro
dizendo adeus
é o coro
dói o peito, dói a alma
ar falta
coragem falta
medo existe
persiste, esmaga
desejo de paz
sossego
socorra-me!
tire-me do caos
da rotina que cega
da mesmice que esmaga a alma
e cala
socorra-me!
do luto
da despedida imposta
das lágrimas silenciosas
nos cantos dos cômodos
das casas pelo mundo
socorra-me!
cessem o fogo
a guerra, cessem
nós findaremos
nós encerraremos
selaremos, nos calaremos
não viveremos
sobreviveremos?
socorram-nos!
o que plantamos?
o que colheremos?
resgatem-nos
de nós mesmos
socorram-nos

Anúncios

Escrito por

♦ Brasiliense com sangue do Pará, amante de moda, culinária, cinema e música. Sonhava em ser bióloga marinha, mas vem se provando mais jornalista do que achava. Escreve menos do que sua mente produz, mas a memória deixa a desejar. Curiosa e repórter, então saiba que tudo o que disser poderá se tornar texto novo. E se a encontrar, prove seu abraço... dizem ser o melhor do mundo. ♦

4 comentários em “París, 13 novembro 2015

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s