a paz

​O vento trazia paz

A alma se inundava da paz.

Aquela paz que seu corpo respira

E transpira

E você pira.

Você volta,

Mas nada te traz de volta

Porque você já mudou

E nada se encaixa fácil 

Não novamente

Não dessa vez.

Porquê dessa vez tudo mudou

Nada tem sentido

Já que o vento veio

E trouxe aquela paz.

Mas que paz filha da puta.

Por que fazer isso com ele?

Ele sempre fora um bom moço…

Acordava com o gritar do sol

E dormia com o raiar da lua

Seguia uma rotina

Seguia a razão.

Mas por que esse vento trouxe essa maldita paz?

Essa não é do tipo de paz que te enche de coisas boas

Só te enche de perdas

Perda de memória

Perda de vida

Perda de alegria

Perda de perdas.

Mesmo que a paz lhe traga um autoconhecimento

Uma autoafirmação

Mesmo que essa paz tenha nome, sobrenome e endereço fixo.

Ela não é fixa

Não dentro dele.

Nada dentro dele é fixo.

E essa paz grudou ali na alma dele.

E nem a descola mais forte foi capaz de tirar a paz dali

Ele se sente como um estrangeiro dentro de si mesmo

E como pode?

Mas que paz filha da puta.

Anúncios

Escrito por

♦ Brasiliense com sangue do Pará, amante de moda, culinária, cinema e música. Sonhava em ser bióloga marinha, mas vem se provando mais jornalista do que achava. Escreve menos do que sua mente produz, mas a memória deixa a desejar. Curiosa e repórter, então saiba que tudo o que disser poderá se tornar texto novo. E se a encontrar, prove seu abraço... dizem ser o melhor do mundo. ♦

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s