Giz

Queria nadar no mar dos teus olhos

Pescar as estrelas cadentes

Ter a paciência para amar em silêncio

Regar as mudas de tanto sentimento

Bastaria esperar o sol se pôr

E dançar ao canto dos pássaros

Ninar com cafuné o amor

E contar carneirinhos

Queria eu poder esquecer

Que há mais distância entre nós

Que entre a terra e a lua,

Mas é irrelevante, pois

Há mais amor aqui

Do que eu teria de amor. 

É só lembrar que depois da chuva

O céu se colore com o arco íris

E tudo foi apagado

Por ter sido escrito com giz.

Anúncios

Escrito por

Estudante de Jornalismo e brasiliense. Apaixonada por cinema, literatura, música, culinária e beleza. Com família paraense, das raízes indígenas, se criou em Brasília onde pode descobrir mais sobre o mundo e se apaixonou pela profissão que escolheu. Criou o Diário em 2014, quando decidiu manter vivas as poesias que mantinha em cadernos por anos.

4 comentários em “Giz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s