Se encontre!

Já me perguntei o por quê de estar viva e tive crises existenciais super fortes, como vocês devem lembrar.  Mantinha uma tristeza enorme no peito e a sensação de que estava entalada com algo; uma vontade de chorar contínua e de ficar em casa para sempre, ficar trancada no quarto.

Até que percebi que, a minha volta, existem inúmeras coisas maravilhosas cheias de vida e que me fazem bem só de estar perto como, por exemplo, as árvores.

Comecei a observar meus pensamentos… eu sempre tinha duas opções: estar entre as pessoas e socializar com elas ou estar entre as pessoas, mas reclusa comigo mesma. Eu costumava escolher sempre a segunda.

Entrava de vagar na piscina, comia um chocolate por pequenos pedaços e ia guardando pra durar, não gastava meu dinheiro preocupada que fosse acabar e que se precisasse para uma emergência não teria mais nada. Eu nem mesmo me permitia a queimar a língua com café. Mas sempre sentia uma vontade louca de arriscar queimar a língua.

Notei, também, que eu gostava de me manipular. Sempre que conhecia algum rapaz me manipulava a ficar apaixonada por ele, ou deixá-lo apaixonado por mim. Isso parou quando eu me senti totalmente presa a alguém que chegou a me fazer mal porque eu era presa e a pessoa era totalmente livre.

Mas a vida dá tantas voltas que um dia a gente aprende.

Houve uma noite em que chorei até pegar no sono, e essa noite passou a se repetir por quase um mês. E aquela sensação de estar com algo preso na garganta foi diminuindo.

Encontrei um vídeo em que era falado sobre não aceitar migalhas de ninguém, nem de si mesmo. E numa conversa ouvi a pergunta “você se ama? Se sim, por que permite isso tudo?” Meus pensamentos começaram a fervilhar. Por que eu não me amava? O que é se amar?

Concluí que precisava aprender a me amar e me aceitar como sou.

Li muito sobre o assunto e, como por estalo, encontrei a chave para abrir esta porta em minha mente: Sempre acho que estou com a razão, sempre acho que as coisas certas são como eu as penso, sempre sinto que faço tudo seguindo uma lógica correta… acho meus gostos os melhores, ouço as melhores músicas do mundo, leio os melhores poemas e livros… enfim. Sinto que estou no caminho certo e os outros não, então por que eu não me aceitava uma boa pessoa se já fazia tudo o que eu pensava ser bom?

Não que eu seja melhor que todo mundo, nada disso. Mas a forma como vejo o mundo parece ser mais correta pra mim e isso é humano, todo mundo pensa assim.

Quando damos conselhos é por achar que a nossa razão é melhor que a da pessoa que o pediu e por isso a ajudamos. Quando indicamos algo a alguém é porque pensamos ser o melhor. Quando pedimos alguma ação é por achar que é o correto, melhor… Entende? Passei a me conhecer melhor quando o decidi fazer, viver comigo, conversar comigo.

Descobri que adoro observar o céu e as cores que ele tem no fim da tarde. Que gosto de café quase amargo. Que prefiro uma música calma e baixa. Que adoro uma cerveja bem gelada e mais leve que amarga. Que gosto de uma maquiagem bem carregada, um rebocão mesmo. Que sempre sento do lado do ônibus onde bate mais sol. Que meu nariz sempre corta no mesmo lugar quando o clima está seco. Que, se eu puder, me declaro todos os dias pra quem amo. Que ninguém deve ser meu saco de pancadas, nem mesmo eu.

Descobri que gosto de aprender coisas novas; que gosto de rotina mesmo odiando admitir; que amo comida oriental… que, mesmo apaixonada por tatuagem, não sei se consigo fazer outras.

Descobri que entro de vagar na piscina porque morro de frio. Que queimar a língua com café é normal, depois sara. Que meu sorriso alegra as pessoas, então tenho mostrado muito mais a todos. Que dormir na mesma cama que minha mãe é divertido, mesmo perdendo o sono com o ronco dela. Descobri que posso ir a lugares que sempre quis, mesmo não tendo um centavo no bolso e que o dinheiro existe pra ser gasto, e não poupado a todo custo.

Me sinto tão orgulhosa por me conhecer a ponto de saber cada loucura que posso cometer. Quando fico com raiva, fico violenta. Quando fico triste, choro. E quando choro meus olhos ficam enoooooormes e inchados. Adoro um palavrão, é libertador! Adoro filmes antigos mesmo, e se reclamar te obrigo a ver um mudo. E ah! Consigo sim tirar fotos boas.

Nunca mais me senti esgotada, sozinha, ignorada. Nem por mim mesma e nem pelas pessoas. Eu sei que estamos sempre sós, mesmo rodeados de gente, mas agora eu sei que existem diversos mundos paralelos ao meu: a mente de cada um.

Me encontrei feliz por notar que não estou presa numa ilusão e que tudo isso que escrevi é real mesmo. E caso você esteja como eu me encontrei um tempo atrás, use esse texto como ponto de partida para essa mudança. Se for melhor se atirar na água gelada da cachoeira, se joga. Mas não fique se perguntando mil coisas desnecessárias. Sabe, você é um ser humano incrível que tem ideias super inusitadas e eu estou super curiosa para te ver agindo e não mais se escondendo.

Se encontre.

Anúncios

Escrito por

♦ Brasiliense com sangue do Pará, amante de moda, culinária, cinema e música. Sonhava em ser bióloga marinha, mas vem se provando mais jornalista do que achava. Escreve menos do que sua mente produz, mas a memória deixa a desejar. Curiosa e repórter, então saiba que tudo o que disser poderá se tornar texto novo. E se a encontrar, prove seu abraço... dizem ser o melhor do mundo. ♦

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s