Loucura do homem

Em algum momento do dia eu senti medo. Um vazio tão grande que me consumia e fazia tremer o corpo todo. Medo, pavor, terror… ansiedade. Eu não sei porque senti isso, nem por quanto tempo. Não fiz nada diferente da rotina e nem esforço maior. Tudo estava normal.

Então me perdi no medo e não conseguia mais voltar, me engoliu, me derrotou. Fiquei tão fraca que não conseguia me ajudar e o tempo parecia durar uma eternidade, como dias de solstícios. Lembro de quando diziam, naquela série, sobre o inverno chegar… não acreditavam até que chegou e então se instalou por tempo indeterminado. Bom, minha dor é esse inverno. Eu sabia que chegaria, esse dia chegaria, porque faz parte da vivência humana. Mas eu não sabia que duraria tanto tempo.

Foi então que me acostumei nessa treva e me isolei de todo o resto. A dor era bem vinda, agora, já que eu não conseguia me libertar dela.

Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.

Platão

Passei a ter medo da luz e da paz que não me recordava mais como era. Minha solidão se tornou confortável e ali desejei ficar eternamente, calada, cálida, imóvel, fria.

Mas cruzei um olhar com ele que carregava a mesma dor que eu, e pude sentir que não estava só. Um consolo me preencheu, me inundou.

A solidão já tinha florido em mim, já estava condicionada a me sentir assim, já tinha raiz. Mas mesmo aquilo que está encravado no nosso peito, como a conformidade da dor, pode ser arrancado e queimado. O joio e o trigo podem ser separados sim, se houver cuidado e paciência, por quê minha dor não seria?

O olhar de compreensão mudou minha forma de encarar a vida, a caridade me tocou a alma! Tive cuidado e paciência para lidar com cada espinho do meu roseiral. Aquele toque leve, suave, delicado, mas pontual mudou tudo.

Consegui olhar para a dor com amor, jamais havia passado pela minha mente ser possível! Parecia loucura… mas como dito em uma de suas cartas, Paulo já dava um certo spoiler: a loucura do homem é sabedoria de Deus.

Anúncios

Escrito por

Estudante de Jornalismo e brasiliense. Apaixonada por cinema, literatura, música, culinária e beleza. Com família paraense, das raízes indígenas, se criou em Brasília onde pode descobrir mais sobre o mundo e se apaixonou pela profissão que escolheu. Criou o Diário em 2014, quando decidiu manter vivas as poesias que mantinha em cadernos por anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s