Ouvido

Em vindos vem ouvindo
E minha atenção escutava
Tuas palavras, todas vagas
A quem se nega um sim (?)
Que ventos cantariam no deserto
Se presos estão os grãos de areia
As portas se fecham para mim
Escuridão obscura e seus segredos
A quem eu devo o medo (?)
Se entre dois sons eu me perco
De onde vem a insegurança
Dos fracos tímpanos ou da semelhança
Que se fazem os homens
Ah! Lhe rogo orando calma
Minha esperança forma laços
Em teus braços já não sei
Se o que quero é ouvir
Ou se quero ser.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s