o custo de uma nova fechadura

Vou te confessar que depois que você deixou as chaves na mesinha da sala, não tive coragem de triscar nelas. Te confessar que parei a reforma do apartamento, deixei o sofá encostado na parede e só o cobri com um lençol.

As plantinhas eu to regando de acordo com a necessidade. Tem aquelas que são todos os dias, dia sim e dia não, tem meus cactos que estão fabulosos. Ah, tem a samambaia, nossa, ela está deslumbrante.

Não abri o jogo de panela novo. Perguntei pra minha mãe se ela poderia trocar comigo por algumas já usadas, até porque eu não sou tão bom na cozinha. Vai que o gostinho do tempero fica impregnado e se transfere na hora de cozinhar.

Mudei o número do apartamento também. Não mudei na porta. Mudei de endereço. Mudei tudo. Eu tive que fazer isso, sabe?! Parece até aprendizado de um livro louco de auto-ajuda, mas não é. Foi sobrevivência mesmo. Viver é diferente de sobreviver; a gente aprende na marra. Eu aprendi.

Por isso deixei as coisas como estavam e apenas saí. Deixei tudo lá. Eu precisei, também, dizer adeus. Isso foi uma das melhores coisas que eu já fiz. Fazer algo que, pela primeira vez, foi por mim. Não dava pra um continuar em um lugar pensado para dois.

Aqui tá tudo novo. Tudo em ordem e tudo em paz. Outras cores na parede. Outro sofá. Novos itens de decoração. Novo eu. Tudo isso foi muito proposital. Quando eu saí eu também deixei a minha chave lá. Joguei lá dentro e reincidi o contrato do aluguel. Falei que perdi as chaves e arquei com o custo de uma nova fechadura.

Arquei com a dor de te ver indo embora sem olhar pra trás. Arquei com os custos de um sonho vivido a dois. Paguei caro, mas já to quase que com 100% dos gastos de volta. Não me refiro a coisas materiais. Tudo é sentimento aqui.

Ninguém entende muito essa minha “manobra” da mudança e sobre o contexto das chaves. Óbvio que contei o que fiz para meus melhores amigos. O contexto eu nunca contei pra ninguém. Espero te ver algum dia pra gente conversar sobre.

Posso adiantar que o dia da mudança foi complicado. Doeu muito. Doeu de uma forma imensurável. Mas deixei tudo pegar fogo e terminar de queimar dentro de mim para poder ressurgir das cinzas. Então pensei: quando ele voltar e bater na porta, não vai me encontrar. Agora essa porta está trancada pra nós dois.

Ps:. O porteiro é meu amigo. Sei que esteve lá.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s