à primeira vista

Alguns passos que dei me trouxeram a lugares impensáveis a mim. Podaram-me as asas, tiraram-me o pouco que queria, esfriaram minha pele à arrepio. De tanto me privar ou permitir que o fizessem, me rendi. Quase com o mesmo esforço ao qual respirar requer. Contudo, minha alma aventureira me recordou, à memória, que muito me alegra a um novo amor.

Tudo era ausência até que chegastes, tudo era lacrado, engavetado, até que veio e libertou o coração que, até então, apenas pulsava sangue por obrigação. Este, tão alegre, passou a pulsar com mais vontade, num ritmo de samba e bossa.

Criei asas, voei. Quando dei por mim estava aqui.

Percebi que já não era apenas paixão, nada da boca pra fora, mas também, nada imaturo. Agora a certeza de vontades distintas, de pensamentos conflitantes e de vivências discrepantes, me faziam gostar ainda mais desse sentimento.

Somos diferentes pelo simples fato do ser humano ser complexo e cheio de detalhes e contextos. Há beleza nisto, essa mistura de ansiedade e receio. Essa sede pela boca tua e pelo calor que nossos corpos hão de trocar.

Viver é uma coisa maluca. Se apaixonar então…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s