esperando ser exaltada

Estava cansada, a rotina nova me matava.
De pé às seis e meia, correr para pegar o ônibus lotado às sete.
Se perdesse, deveria esperar 65 minutos até o próximo.
Normalmente chegava quinze minutos atrasada porque sempre tinha algum acidente no caminho, motoristas e sua pressa.
Comprava algo para tomar café, nada que gastasse cinco reais.
Comia correndo enquanto subia as escadas.
Batia ponto.
Sofria porque a hora não passava.
Meio dia eu corria, para não perder o ônibus que me levaria para o outro trabalho.
Chegava em meia hora, almoçava em dez minutos porque já estava atrasada.
Sofria porque a hora não passava.
Beliscava algum biscoito que estava esquecido na bolsa.
Seis horas.
Corria para não perder o ônibus, quando não tinha internet para pegar uma bicicleta disponível no caminho.
Corria de uma plataforma da rodoviária à outra.
Descia para pegar o metrô.
Corria para não perder o outro ônibus.
Chegava na faculdade correndo porque já estava atrasada para a aula.
Comia o resto do biscoito que estava na bolsa.
Revoltada porque tinha levado falta, dez minutos atrasada e havia perdido a chamada.
“Raios!”
Resmungava.
Corria para a parada pra não perder o ônibus.
Avisava meu pai que estava chegando, caso não tivesse crédito esperava que o divino iluminasse seu coração e ele me ligasse pouco antes.
Escuro por já estar virando o dia, às onze e tantas da noite.
Descia correndo do ônibus para que ninguém conseguisse me assaltar no caminho.
Tomava banho e tentava organizar minha bagunça feita pela manhã.
Jantava e esperava a comida sentar, algumas vezes dormia no sofá esperando para não passar mal ou vomitar.
Assustada, despertava lá pelas duas da manhã, sonolenta escovava os dentes e ia para a cama.

A vida do brasileiro pobre é fodida num nível que não dá pra explicar.

Quando consegue um trabalho, não te valorizam, seja o chefe ou as pessoas que dependem do seu serviço.

Seguindo há espera do dia em que os humilhados serão exaltados.

Anúncios

2 comentários em “esperando ser exaltada

  1. Isso me lembra quando acordo cedo para ouvir o Today, da BBC Radio Four, na primavera porque o tempo e o fuso horário ajuda na hora de levantar de madrugada para se manter informado no idioma de Alec Douglas-Hume. É a vida.

    Curtir

  2. A vida é uma ingrata… compartilho dos mesmos perrengues, exceto pelos dois empregos e vários ônibus. Mas, conheço bem essa vida de sair de casa as 06 a.m e só voltar depois das 23h. Seguimos esperando o grande dia em que os humilhados serão exaltados…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s