os pensamentos – monólogo de um lapso de insanidade

Sorte a sua ter um lugar para o qual fugir. Estive presa num lapso de insanidade mental cujo único objetivo era me fazer sair de mim. E conseguiram, os pensamentos. Por um breve tempo, pensei em me render às tantas dúvidas, inseguranças e raivas… há tanto ressentimento que fica difícil ser uma mulher educada, politizada e ao mesmo tempo sensível. Anos desgastaram esta mulher que habitava dentro de mim, dando espaço a uma louca, má e rebelde. Sim, me tornei a rebelde que ele disse, certa vez, se referindo a uma eu que nunca existiu.

Talvez rebeldia também possa ser chamada de lapso de insanidade. Talvez eu tenha saído de mim outras vezes. Mas como não sairia? Me testam em todos os sentidos, me cobram ser doce e amável… eu sou a pessoa das péssimas piadas, das expressões exageradas e das reclamações dramáticas sobre minha tão sem graça vida.

Disseram que deveria rezar, pedir perdão e mudar. Tentei. Juro. Mas me mataram, os pensamentos. Acho que meu problema é pensar de mais… minha cabeça não para um segundo. Ao mesmo tempo que deixo a ira tomar conta de mim, permito que a criatividade me traga planos malignos de vingança ou assassinatos que eu cometeria numa trama de novela das nove… mas eu carrego muito mais drama, seria demais para o horário. Talvez eu seja aquela mente insana e inquieta que arquiteta tudo, deixa cada passo no ponto, para que a donzela doce e amável caia, assim sem querer, nas minhas tramas feitas de teia.

Talvez eu seja apenas maluca o suficiente para entender que pensar não é errado. Depois de certo tempo mantendo cada ira em meus lapsos, tudo passa, os pensamentos. Meus momentos criativos se afloram nesses momentos e é de onde surgem meus quadros mais gloriosos. Geralmente me elogiam pelos quadros, mas me julgam pelos pensamentos. Já disse que o amor virou ira? Bom, esse monstro me atormenta a ponto de querer a dona daquela teia… talvez eu devesse.

E de tantos talvezes, mais vezes me abandono. Uma hora passam, os pensamentos. Esses tambores de ira tão ativos e velozes que domam meu peito, uma hora se tornam dedilhar de piano. Uma hora eles se vão… os pensamentos.

Autor: Aguida Leal

Olá, meu nome é Águida Leal, tenho 26 anos e criei esse blog para compartilhar minha visão romântica da vida. Minhas paixões me guiam a momentos únicos e percebi que as pessoas gostam de ler sobre cada experiência romântica que a vida me dá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s