O DF tem cultura? Tem sim e te provo

Há quem diga que Brasília é a cidade do rock, pelos ecos que ainda são audíveis da voz e som de Renato, Legião, Capital e tantos outros. Há quem diga que a cidade é confusa, com suas siglas exageradas. E há aqueles que nem sabem nada sobre a cidade. Posso afirmar que o “dê éfe” é muito mais que política (e suas particularidades) e rock (ou sertanejo).

O Distrito é tão pequeno, que a gente considera ele inteiro como uma coisa só. As BR’s são tantas, tão acessíveis, tão “na porta de casa” que enfrentar mais de 40 minutos para chegar ao trabalho é normal. E a culpa desse tempo nem é o trânsito pesado, mas a distância.

Ainda temos tanto espaço natural, tanta reserva florestal, tanto “pedaço” sem nada, que a distância que percorremos diariamente entre cidades é normal. O quadradinho é grande e ao mesmo tempo parece uma cidade pequena.

Dizem que a gente não tem cultura própria… O resto do Brasil jura que cultura é o que se tem na ponte Rio-São Paulo ou no nordeste. No máximo, englobam eventos pontuais como a Oktoberfest ou o Círio de Nazaré. Talvez, pela enorme quantidade de veículos e produtores de conteúdo e informação centralizado nessa ponte, não procuram saber como é viver em outros lugares. Diz aí, você conhece a comida típica de Rondônia? de Cuiabá? de Sergipe? de Tocantins? de Belém? Você conhece algum ponto turístico no Amazonas que não seja o encontro do Rio Negro e Solimões? ou mais que apenas as praias (maravilhosas) do nordeste?

Esse site deixou de ser um diário tem bastante tempo. De forma natural, encontrou um buraco gigantesco na construção cultural do Brasil e percebeu que poderia concentrar informações sobre elas.

Em Brasília, por exemplo, temos um encontro único à mesa. Você pode encontrar pequi, feijoada, vatapá e Maria Isabel num mesmo almoço. Nossa comida depende muito da influência familiar. De onde for a família, lá será a referência. Mas algumas das nossas cidades concentram mais alguns povos.

Nesse caso, podemos falar sobre a Ceilândia. O nome da RA (Região Administrativa) por si só é uma forma de segregar o povo. CEI é sigla de Campanha de Erradicação de Invasões. O sufixo -lândia vem de land, “terra” em inglês. Ceilândia, fundada em 1971, é onde se juntaram a maior quantidade de nordestinos. Desde que que nasci, em 1993, que ouço que Ceilândia é um lugar de gente pobre, de bandido, um lugar perigoso. As minhas lembranças da RA contam outra coisa.

Foto: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

Lembro que o primeiro CD que comprei na vida foi na Feira Central (ou Feira da Ceilândia). Era pirata porque eu não tinha condições de comprar um original. Minha mãe tinha me dado dez reais e eu corri até um camelô para comprar o primeiro CD do RBD, em 2005. O tenho até hoje (mesmo que nem funcione).

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

A RA mais populosa do DF tem 443.824 habitantes, quase o dobro da segunda mais populosa, Samambaia (244.960). Ceilândia tem uma cultura mais miscigenada que o próprio Brasil. Você pode ouvir um cordel enquanto joga dominó com os velhinhos que ficam sentados na avenida principal em frente à Feira Central. E por falar na Feira, lá você pode comer uma das melhores buchadas de bode! Em Ceilândia, você pode comprar roupas baratas, porque ninguém se importa com marca (quer dizer, nem todo mundo), a preço de custo. Algumas dessas roupas você pode encontrar nos shoppings do DF por cinco vezes o valor.

Na Ceilândia você pode comer em fast food, em restaurante chique, em restaurante com cara de bsitrô, em boteco, em restaurante que transmite futebol e em barracas de culinária nordestina (baiana, maranhense, cearense…).

O DF tem uma cultura ímpar. Por aqui, se reúnem todas as coisas boas de todos os cantos do país. Se tem um lugar perfeito para ser a capital do Brasil, que explique o que somos, esse lugar é o Distrito Federal. Você já conhece?

Autor: Aguida Leal

Olá, meu nome é Águida Leal, tenho 27 anos e criei esse blog para compartilhar minha visão romântica da vida. Minhas paixões me guiam a momentos únicos e percebi que as pessoas gostam de ler sobre a vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s